Casa Civil do Estado de Rondônia

Diretoria Técnica Legislativa - DITEL

Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


start:lei_ordinaria:lei_ordinaria_2589

Diferenças

Aqui você vê as diferenças entre duas revisões dessa página.

Link para esta página de comparações

Ambos lados da revisão anterior Revisão anterior
start:lei_ordinaria:lei_ordinaria_2589 [2019/05/24 12:23]
eduardo
start:lei_ordinaria:lei_ordinaria_2589 [2019/05/24 12:27] (atual)
eduardo
Linha 5: Linha 5:
 //DOE N. 1848, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2011.// //DOE N. 1848, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2011.//
  
-Alterada pela Lei n. 3.305, de 19/12/2013.+[[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3305.pdf|Alterada pela Lei n. 3.305, de 19/12/2013.]]
  
-Alterada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017.+[[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Alterada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017.]]
  
 Institui o Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de Rondônia e revoga a Lei nº 2.104, de 7 de julho de 2009. Institui o Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de Rondônia e revoga a Lei nº 2.104, de 7 de julho de 2009.
Linha 19: Linha 19:
 <​del>​Art. 2º. A pessoa física que adquirir mercadorias,​ bens ou serviços de transporte interestadual e intermunicipal em operação devidamente acobertada por documento fiscal hábil, emitido por estabelecimento fornecedor contribuinte do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS fará jus ao recebimento de créditos do Tesouro do Estado.</​del>​ <​del>​Art. 2º. A pessoa física que adquirir mercadorias,​ bens ou serviços de transporte interestadual e intermunicipal em operação devidamente acobertada por documento fiscal hábil, emitido por estabelecimento fornecedor contribuinte do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS fará jus ao recebimento de créditos do Tesouro do Estado.</​del>​
  
-Art. 2º. A Entidade Social devidamente cadastrada no programa que receber documento fiscal hábil doado por Pessoa Física que adquirir mercadorias,​ bens ou serviços de transporte interestadual e intermunicipal em operação, emitido por estabelecimento fornecedor contribuinte do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadoria e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS fará jus ao recebimento de créditos do Tesouro do Estado.(Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+Art. 2º. A Entidade Social devidamente cadastrada no programa que receber documento fiscal hábil doado por Pessoa Física que adquirir mercadorias,​ bens ou serviços de transporte interestadual e intermunicipal em operação, emitido por estabelecimento fornecedor contribuinte do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadoria e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS fará jus ao recebimento de créditos do Tesouro do Estado.([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 § 1º. Os créditos previstos no caput deste artigo somente serão concedidos se o estabelecimento fornecedor ou prestador do serviço for contribuinte estabelecido no Estado de Rondônia. § 1º. Os créditos previstos no caput deste artigo somente serão concedidos se o estabelecimento fornecedor ou prestador do serviço for contribuinte estabelecido no Estado de Rondônia.
Linha 35: Linha 35:
 <​del>​a) pessoa jurídica de direito privado contribuinte ou não contribuinte do ICMS, excetuadas as entidades de assistência social de que trata o inciso V do artigo 4º, desta Lei.</​del>​ <​del>​a) pessoa jurídica de direito privado contribuinte ou não contribuinte do ICMS, excetuadas as entidades de assistência social de que trata o inciso V do artigo 4º, desta Lei.</​del>​
  
-a) pessoa jurídica de direito privado contribuinte ou não contribuinte do ICMS; (Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+a) pessoa jurídica de direito privado contribuinte ou não contribuinte do ICMS; ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 b) órgão da administração pública direta da União, dos Estados e dos Municípios,​ bem como suas autarquias, fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, empresas públicas, sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, pelos Estados ou pelos Municípios;​ b) órgão da administração pública direta da União, dos Estados e dos Municípios,​ bem como suas autarquias, fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, empresas públicas, sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, pelos Estados ou pelos Municípios;​
Linha 51: Linha 51:
 <​del>​Art. 3º. O valor correspondente a até 20% (vinte por cento) do ICMS que cada estabelecimento vendedor tenha efetivamente recolhido será distribuído como crédito entre os respectivos adquirentes de mercadorias,​ bens e serviços de transporte interestadual e intermunicipal,​ favorecidos na forma do artigo 2º e do inciso V do artigo 4º, na proporção do valor de suas aquisições,​ observados os critérios a serem definidos pelo Poder Executivo.</​del>​ <​del>​Art. 3º. O valor correspondente a até 20% (vinte por cento) do ICMS que cada estabelecimento vendedor tenha efetivamente recolhido será distribuído como crédito entre os respectivos adquirentes de mercadorias,​ bens e serviços de transporte interestadual e intermunicipal,​ favorecidos na forma do artigo 2º e do inciso V do artigo 4º, na proporção do valor de suas aquisições,​ observados os critérios a serem definidos pelo Poder Executivo.</​del>​
  
-Art. 3º. O valor correspondente até 20% (vinte por cento) do ICMS que cada estabelecimento vendedor tenha efetivamente recolhido será distribuído como crédito entre os respectivos adquirentes de mercadorias,​ bens e serviços de transporte interestadual e intermunicipal,​ favorecidos na forma do artigo 2º, e do inciso V, do artigo 4º, desta Lei, na proporção do valor de suas aquisições,​ observados os critérios a serem definidos pelo Poder Executivo. (Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+Art. 3º. O valor correspondente até 20% (vinte por cento) do ICMS que cada estabelecimento vendedor tenha efetivamente recolhido será distribuído como crédito entre os respectivos adquirentes de mercadorias,​ bens e serviços de transporte interestadual e intermunicipal,​ favorecidos na forma do artigo 2º, e do inciso V, do artigo 4º, desta Lei, na proporção do valor de suas aquisições,​ observados os critérios a serem definidos pelo Poder Executivo. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 § 1º. Para fins de cálculo do valor do crédito a ser concedido aos adquirentes,​ o Poder Executivo considerará,​ dentre outros critérios: § 1º. Para fins de cálculo do valor do crédito a ser concedido aos adquirentes,​ o Poder Executivo considerará,​ dentre outros critérios:
Linha 71: Linha 71:
 <​del>​§ 3º. O crédito calculado na forma deste artigo fica limitado a 7,5% (sete e meio por cento) do valor do documento fiscal.</​del>​ <​del>​§ 3º. O crédito calculado na forma deste artigo fica limitado a 7,5% (sete e meio por cento) do valor do documento fiscal.</​del>​
  
-§ 3º. O crédito calculado na forma deste artigo fica limitado a 5% (cinco por cento) do valor do documento fiscal. (Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+§ 3º. O crédito calculado na forma deste artigo fica limitado a 5% (cinco por cento) do valor do documento fiscal. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 § 4º. Ato do Poder Executivo disporá sobre as atividades econômicas abrangidas por este programa. § 4º. Ato do Poder Executivo disporá sobre as atividades econômicas abrangidas por este programa.
Linha 83: Linha 83:
 III - sustar o direito de crédito em relação a documentos fiscais emitidos em papel, em razão da obrigatoriedade de emissão de documentos fiscais eletrônicos na forma que vier a ser estabelecida pela Secretaria de Estado de Finanças; III - sustar o direito de crédito em relação a documentos fiscais emitidos em papel, em razão da obrigatoriedade de emissão de documentos fiscais eletrônicos na forma que vier a ser estabelecida pela Secretaria de Estado de Finanças;
  
-<​del>​IV - instituir sistema de sorteio de prêmios para os consumidores finais, pessoas naturais ou entidades a que se refere o inciso V deste artigo, identificados em documento fiscal; </​del>​ (Revogado pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+<​del>​IV - instituir sistema de sorteio de prêmios para os consumidores finais, pessoas naturais ou entidades a que se refere o inciso V deste artigo, identificados em documento fiscal; </​del>​ ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Revogado pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 <​del>​V - permitir que entidades rondonienses de assistência social, sem fins lucrativos, previamente cadastradas na Secretaria de Estado de Finanças, sejam indicadas como favorecidas pelo crédito previsto no artigo 2º desta Lei;</​del>​ <​del>​V - permitir que entidades rondonienses de assistência social, sem fins lucrativos, previamente cadastradas na Secretaria de Estado de Finanças, sejam indicadas como favorecidas pelo crédito previsto no artigo 2º desta Lei;</​del>​
  
-V - disponibilizar software para que os consumidores possam doar os respectivos documentos fiscais às Entidades rondonienses de assistência social, sem fins lucrativos, previamente cadastradas na Secretaria de Estado de Finanças - SEFIN, beneficiando-as com crédito previsto no artigo 2º, desta Lei; (Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+V - disponibilizar software para que os consumidores possam doar os respectivos documentos fiscais às Entidades rondonienses de assistência social, sem fins lucrativos, previamente cadastradas na Secretaria de Estado de Finanças - SEFIN, beneficiando-as com crédito previsto no artigo 2º, desta Lei; ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 VI - disciplinar prazos, forma de disponibilização,​ utilização,​ transferência e consolidação dos créditos; e VI - disciplinar prazos, forma de disponibilização,​ utilização,​ transferência e consolidação dos créditos; e
Linha 93: Linha 93:
 VII – incluir neste programa operações com mercadorias ou bens sujeitas ao regime de substituição tributária ou não incidência do ICMS, quando houver interesse da administração tributária ou da execução deste programa; VII – incluir neste programa operações com mercadorias ou bens sujeitas ao regime de substituição tributária ou não incidência do ICMS, quando houver interesse da administração tributária ou da execução deste programa;
  
-VIII - estabelecer a forma e as condições em que as Entidades rondonienses de assistência social, sem fins lucrativos, previamente cadastradas na Secretaria de Estado de Finanças - SEFIN, poderão ser indicadas como favorecidas pelo crédito do Tesouro do Estado relativo ao documento fiscal doado; (Acrescido pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+VIII - estabelecer a forma e as condições em que as Entidades rondonienses de assistência social, sem fins lucrativos, previamente cadastradas na Secretaria de Estado de Finanças - SEFIN, poderão ser indicadas como favorecidas pelo crédito do Tesouro do Estado relativo ao documento fiscal doado; ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Acrescido pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
-IX - disciplinar a forma e as condições em que ocorrerá o cadastramento das Entidades de que trata o inciso VIII, deste artigo, para fins do disposto nesta Lei. (Acrescido pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+IX - disciplinar a forma e as condições em que ocorrerá o cadastramento das Entidades de que trata o inciso VIII, deste artigo, para fins do disposto nesta Lei. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Acrescido pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 <​del>​Art. 5º. A pessoa natural ou jurídica que receber os créditos a que se refere o artigo 2°, na forma e nas condições estabelecidas pelo Poder Executivo, poderá utilizar os créditos para reduzir o valor do débito do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores - IPVA do exercício seguinte.</​del>​ <​del>​Art. 5º. A pessoa natural ou jurídica que receber os créditos a que se refere o artigo 2°, na forma e nas condições estabelecidas pelo Poder Executivo, poderá utilizar os créditos para reduzir o valor do débito do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores - IPVA do exercício seguinte.</​del>​
  
-<​del>​Art. 5º A pessoa natural ou jurídica que receber os créditos a que se refere o artigo 2º, na forma e nas condições estabelecidas pelo Poder Executivo, poderá resgatá-los mediante depósito disponibilizado em conta corrente bancária.</​del>​ (Redação dada pela Lei n. 3.305, de 19/12/2013)+<​del>​Art. 5º A pessoa natural ou jurídica que receber os créditos a que se refere o artigo 2º, na forma e nas condições estabelecidas pelo Poder Executivo, poderá resgatá-los mediante depósito disponibilizado em conta corrente bancária.</​del>​ ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3305.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.305, de 19/12/2013]])
  
-Art. 5º. A Entidade Social que receber os créditos a que se refere o artigo 2º, desta Lei, na forma e nas condições estabelecidas pelo Poder Executivo, poderá resgatá-los mediante depósito disponibilizado em conta corrente bancária. (Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+Art. 5º. A Entidade Social que receber os créditos a que se refere o artigo 2º, desta Lei, na forma e nas condições estabelecidas pelo Poder Executivo, poderá resgatá-los mediante depósito disponibilizado em conta corrente bancária. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 <​del>​§ 1º. O crédito a que se refere o artigo 2º será depositado em conta corrente ou poupança, mantidos em instituição do Sistema Financeiro Nacional, cujo titular seja a pessoa física ou jurídica beneficiária.</​del>​ <​del>​§ 1º. O crédito a que se refere o artigo 2º será depositado em conta corrente ou poupança, mantidos em instituição do Sistema Financeiro Nacional, cujo titular seja a pessoa física ou jurídica beneficiária.</​del>​
  
-§ 1º. O crédito a que se refere o artigo 2º, desta Lei, será depositado em conta corrente ou poupança, mantidas em instituição do Sistema Financeiro Nacional, cujo titular seja a própria Entidade Social beneficiária. (Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+§ 1º. O crédito a que se refere o artigo 2º, desta Lei, será depositado em conta corrente ou poupança, mantidas em instituição do Sistema Financeiro Nacional, cujo titular seja a própria Entidade Social beneficiária. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 <​del>​§ 2º. O Regulamento do Programa definirá o valor mínimo do crédito que deverá ser acumulado para que possa ser objeto de depósito em conta ou utilização para dedução do valor do IPVA ser pago.</​del>​ <​del>​§ 2º. O Regulamento do Programa definirá o valor mínimo do crédito que deverá ser acumulado para que possa ser objeto de depósito em conta ou utilização para dedução do valor do IPVA ser pago.</​del>​
  
-§ 2º. O Regulamento do Programa definirá o valor mínimo do crédito que deverá ser acumulado para que possa ser objeto de depósito em conta corrente bancária. (Redação dada pela Lei n. 3.305, de 19/12/2013)+§ 2º. O Regulamento do Programa definirá o valor mínimo do crédito que deverá ser acumulado para que possa ser objeto de depósito em conta corrente bancária. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3305.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.305, de 19/12/2013]])
  
 <​del>​§ 3º. Serão cancelados os créditos que não forem utilizados no prazo de 5 (cinco) anos, contados da data em que tiverem sido disponibilizados pela Secretaria de Estado de Finanças.</​del>​ <​del>​§ 3º. Serão cancelados os créditos que não forem utilizados no prazo de 5 (cinco) anos, contados da data em que tiverem sido disponibilizados pela Secretaria de Estado de Finanças.</​del>​
  
-§ 3º. Serão cancelados os créditos que não forem utilizados no prazo de 2 (dois) anos, contados da data em que tiverem sido disponibilizados pela Secretaria de Estado de Finanças - SEFIN. (Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+§ 3º. Serão cancelados os créditos que não forem utilizados no prazo de 2 (dois) anos, contados da data em que tiverem sido disponibilizados pela Secretaria de Estado de Finanças - SEFIN. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 § 4º. Não poderão utilizar os créditos os inadimplentes em relação a obrigações pecuniárias,​ de natureza tributária ou não-tributária,​ do Estado de Rondônia. § 4º. Não poderão utilizar os créditos os inadimplentes em relação a obrigações pecuniárias,​ de natureza tributária ou não-tributária,​ do Estado de Rondônia.
  
-<​del>​§ 5º. A possibilidade de utilização dos créditos para pagamento do IPVA, prevista no caput deste artigo, não implicará decréscimo na parcela do valor da arrecadação destinada aos municípios. </​del>​ (Revogado pela Lei n. 3.305, de 19/12/2013)+<​del>​§ 5º. A possibilidade de utilização dos créditos para pagamento do IPVA, prevista no caput deste artigo, não implicará decréscimo na parcela do valor da arrecadação destinada aos municípios. </​del>​ ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3305.pdf|Revogado pela Lei n. 3.305, de 19/12/2013]])
  
 § 6º. Os créditos poderão ser utilizados, transferidos,​ depositados ou creditados a partir: § 6º. Os créditos poderão ser utilizados, transferidos,​ depositados ou creditados a partir:
- 
  
 I - do mês de outubro do mesmo ano-calendário,​ relativamente a aquisições ocorridas entre os meses de janeiro a junho; e I - do mês de outubro do mesmo ano-calendário,​ relativamente a aquisições ocorridas entre os meses de janeiro a junho; e
- 
  
 II - do mês de abril do ano-calendário seguinte, relativamente a aquisições ocorridas entre os meses de julho a dezembro. II - do mês de abril do ano-calendário seguinte, relativamente a aquisições ocorridas entre os meses de julho a dezembro.
  
-§ 7º. O valor de crédito a que terá direito a Entidade Social será valor máximo de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), por período de apuração, sendo que o valor máximo a ser distribuído entre todas as Entidades será de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). (Acrescido pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+§ 7º. O valor de crédito a que terá direito a Entidade Social será valor máximo de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), por período de apuração, sendo que o valor máximo a ser distribuído entre todas as Entidades será de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Acrescido pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
-§ 8º. No caso em que o valor total a ser distribuído entre as Entidades ultrapasse o valor máximo disposto no § 7º, deste artigo, o valor do crédito será recalculado proporcionalmente entre as mesmas. (Acrescido pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+§ 8º. No caso em que o valor total a ser distribuído entre as Entidades ultrapasse o valor máximo disposto no § 7º, deste artigo, o valor do crédito será recalculado proporcionalmente entre as mesmas. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Acrescido pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 Art. 6º. O Poder Executivo promoverá campanhas de educação fiscal com o objetivo de informar, esclarecer e orientar a população sobre: Art. 6º. O Poder Executivo promoverá campanhas de educação fiscal com o objetivo de informar, esclarecer e orientar a população sobre:
Linha 145: Linha 143:
 <​del>​Art. 7º. A despesa correspondente à entrega do prêmio em pecúnia ou em bens, apurado na forma desta Lei será paga por meio do Elemento de Despesa nº 3390-31 previsto na Lei Orçamentária Anual.</​del>​ <​del>​Art. 7º. A despesa correspondente à entrega do prêmio em pecúnia ou em bens, apurado na forma desta Lei será paga por meio do Elemento de Despesa nº 3390-31 previsto na Lei Orçamentária Anual.</​del>​
  
-Art. 7º. A despesa decorrente deste Programa, apurado na forma desta Lei, será paga por meio do elemento de despesa nº 3390-31, previsto na Lei Orçamentária Anual. (Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/​01/​2017).+Art. 7º. A despesa decorrente deste Programa, apurado na forma desta Lei, será paga por meio do elemento de despesa nº 3390-31, previsto na Lei Orçamentária Anual. ([[http://​ditel.casacivil.ro.gov.br/​COTEL/​Livros/​Files/​L3974.pdf|Redação dada pela Lei n. 3.974, de 10/01/2017]]).
  
 Art. 8º. Ato do Poder Executivo disporá sobre os procedimentos necessários ao fiel cumprimento desta Lei. Art. 8º. Ato do Poder Executivo disporá sobre os procedimentos necessários ao fiel cumprimento desta Lei.
start/lei_ordinaria/lei_ordinaria_2589.txt · Última modificação: 2019/05/24 12:27 por eduardo